As mudanças estão acontecendo muito rápido e, com isso, a cada hora recebemos uma informação diferente a respeito das prevenções e protocolos de higiene contra a Covid-19. E não seria diferente em relação às máscaras de proteção.

Por isso a E-Moving conversou com o médico infectologista Daniel Duailibi (CRM 151866-SP) para entendermos melhor a diferença entre as máscaras de tecido, cirúrgica e a PFF2/N95; qual dessas máscaras podem ser reutilizadas e a importância de utilizar máscara enquanto pratica atividade física.

Qual a diferença entre as máscaras de tecido, cirúrgica e PFF2?

Para entendermos melhor a diferença entre as máscaras, precisamos primeiro saber como a Covid-19 é transmitida. Como o Dr. Daniel explicou, a transmissão do Coronavírus se dá através de gotículas, que são micropartículas do vírus. Se compararmos com a tuberculose, por exemplo, a transmissão é feita com partículas ainda menores chamadas aerossóis. 

Sendo assim, a máscara cirúrgica, confeccionada com um material capaz de filtrar essas partículas pequenas, protege quem usa a máscara e as pessoas ao redor. E no caso da máscara PFF2/N95 protege até das partículas aerossóis, então também é recomendada.

Para usar as máscaras de tecido, elas precisam ter 3 camadas: uma camada externa, uma camada intermediária e uma camada interna, sendo a camada intermediária com capacidade de filtragem. E os tecidos ideias são tricoline ou algodão, pois têm mais chances de impedir a transmissão das gotículas. 

Qual o melhor tipo de máscara para se exercitar?

O nível de filtragem da máscara também diz respeito ao esforço que você quer fazer enquanto se exercita. Caso você esteja buscando condicionamento físico e performance, pode ser interessante utilizar máscaras mais resistentes como a PFF2, explica o médico infectologista Daniel Duailibi.

O importante é sempre usarmos máscara de proteção durante a atividade física, inclusive ao ar livre. E o Dr. Daniel acrescenta: “quando pedalamos, respiramos mais rápido e, se não usarmos máscara, deixamos um rastro de gotículas muito maior no ar. Estudos mostram que quem pedala ou corre, a distância segura não é mais de um metro e meio, e sim aproximadamente 3 metros.”

A verdade é que não existe “a máscara certa” ou “a máscara ideal”, mas a melhor máscara é aquela que você usa corretamente de maneira confortável e que evita o constante ajuste no rosto.

Como higienizar, trocar ou descartar cada máscara

Mais do que usar o modelo de máscara correto, temos que saber usá-las corretamente de acordo com os protocolos de higiene e saúde. Senão, do que adianta, né?

Um fator essencial que precisamos saber é: quando a máscara estiver suja, molhada ou suada, o filtro ficará saturado. Portanto, não importa o modelo da máscara, ela precisa ser trocada imediatamente. O Dr. Duailibi explica o processo de saturação do filtro:

“Quanto mais a gente respira, mais a gente faz a troca e mais esse filtro é utilizado. No caso da atividade física, acostumamos aumentar a nossa frequência respiratória e acaba molhando a máscara. Então é muito importante utilizar a máscara durante a atividade física, mas, uma vez que você sinta que ela está molhada ou suja, é preciso trocar mesmo durante a atividade.”

É preciso sempre levar em consideração o tempo de uso de cada máscara, para fazer a troca ou descarte, e saber qual a forma de higienização de cada modelo.

No caso das máscaras cirúrgicas, precisam ser trocadas a cada três horas e não podem ser reutilizadas nem higienizadas. Já as máscaras de tecido, também precisam ser trocadas a cada três horas e podem ser reutilizadas mediante a lavagem com sabão – lembrando de descartar o filtro da camada intermediária.

Por fim, a PFF2/N95, caso não tenha danos visíveis (rasgo, sujeira) nem a saturação do filtro (suor, umidificação), pode ser reutilizada por até 7 dias com 48h de descanso após o uso, guardando a máscara em uma embalagem e deixando-a descansar em um local seco e longe da exposição solar.

As máscaras que possuem filtro como a cirúrgica e a PFF2, não podem ser lavadas nem higienizadas com álcool, pois o filtro é muito delicado e quando molhado fica danificado.

E é importante lembrar que a máscara é uma medida adicional, manter o distanciamento, a higiene das mãos e carregar álcool gel na mochila são medidas essenciais para evitar a disseminação e transmissão da Covid-19.

Fonte: Daniel Duailibi, Médico Clínico Geral e Infectologista.