Nos últimos anos houve um crescimento exponencial da utilização das bicicletas como meio de transporte, com isso, a pauta da segurança no trânsito tornou-se ainda mais relevante, afinal, temos cada vez mais pessoas trocando os meios tradicionais de locomoção por opções mais sustentáveis.

Mas é claro que toda mudança também traz novos desafios para sociedade como a adaptação aos municípios e a intensificação de políticas públicas de educação do trânsito, essas são ações positivas na prevenção de acidentes graves, garantindo aos motoristas e ciclistas um ambiente mais amistoso e seguro para todos. 

Diariamente é possível fazer a diferença, respeitando as leis de trânsito e tomando cuidados básicos para preservação da vida, mas a segurança dos ciclistas no trânsito vai muito além disso, aliás, para que ela esteja garantida de maneira eficaz, é fundamental que alguns ajustes estruturais sejam executados.

Neste artigo, você compreenderá quais ações devem ser adotadas para garantir mais segurança e evitar acidentes, vale a pena conferir!

Investimento nas cidades

O número de ciclistas no Brasil não para de crescer, em 2018, o país já registrava mais de 50 milhões de bicicletas e 41 milhões de carros, segundo dados do IPEA. 

Essas informações reforçam a importância de ter investimentos significativos na infraestrutura das cidades com intuito de dar conta de demandas importantes, como a criação de ciclovias e ciclofaixas, dois tópicos fundamentais para que as pessoas tenham condições seguras de locomoção, garantindo espaços mais acolhedores e propícios para o uso das bikes, esse tipo de medida, além de reduzir os números de acidentes também proporcionam boas condições para que outras pessoas também utilizem suas bicicletas como uma nova alternativa de meio de transporte.

Nesse sentido, as cidades só têm a ganhar, pois, o aumento dos ciclistas tem impacto positivo na saúde pública e no meio ambiente, ou seja, menos poluição sonora e atmosférica. Investir na infraestrutura das cidades é fundamental, mas, além disso, algumas ações simples podem fazer toda diferença, confira!

Criação de bicicletários: sair com uma bike e não ter onde deixá-la, é como sair de carro e não ter onde estacionar, por isso, disponibilizar essa modalidade de espaço não é apenas um incentivo para que mais pessoas utilizem a bicicleta, mas também uma ação que garante a segurança ao ciclista.

Uso de Bikes compartilhadas: em grandes cidades como São Paulo e Belo Horizonte, essa categoria de serviço é bem comum, além de ser uma alternativa mais barata para que as pessoas transitarem.

Menos velocidade e mais segurança

Velocidade e segurança, essa é uma daquelas combinações que precisam ser pensadas com cautela, não basta inserir lombadas, travessias e faróis, é preciso agir de maneira estratégica e a redução de velocidade pode trazer muitos benefícios à sociedade e salvar milhares de vidas. Os estudos de maneira geral mostram que as vias em que os condutores podem andar em alta velocidade traz diversos riscos para todos, inclusive, quanto maior a média, maiores são os números de acidentes fatais. 

Diante disso, é fundamental que as cidades tenham uma política de trânsito focada na redução da velocidade, sobretudo nas vias de grande circulação, mas apesar de parecer uma medida simples, pode trazer resultados expressivos para todos, segundo dados publicados pelo WRI Ross Center For Sustainable Cities, a redução de 5% na velocidade média pode resultar em 30% menos acidentes fatais, ou seja, quanto menor a velocidade, mais seguro é o trânsito.

Ações educativas

A educação no trânsito é um dos principais pilares para garantir um ambiente mais seguro para motoristas, ciclistas e pedestres. Existem informações que precisam ser reforçadas periodicamente e apesar de parecerem repetitivas, vale a pena investir em campanhas de conscientização, pois, elas têm um potencial de transformação social contribuindo com a prevenção e redução de acidentes.

Todos os anos, diversos organismos promovem campanhas de conscientização, uma das mais conhecidas é o Maio Amarelo, o intuito é alertar a sociedade para os altos índices de mortes e acidentes de trânsito, provavelmente, você já foi impactado por mensagens que abordavam temas centrais como: o uso do cinto de segurança, a proibição da utilização do celular ao volante, respeito ao pedestre e ciclista, dentre outros.

Adotar políticas de educação no trânsito é uma medida que precisa começar bem cedo, inclusive, no Brasil, essas iniciativas estão previstas no artigo 76, do código de trânsito, mas, na prática, não funciona bem assim. O ideal seria que esse trabalho de conscientização fosse iniciado na infância, no ambiente escolar e continuado durante todo o processo de formação, o resultado desta medida resultaria em pessoas mais conscientes e preparadas para lidar com as situações cotidianas do trânsito. 

Políticas educativas carregam um potencial gigantesco de mudança, ter um trânsito com mais segurança passa sobretudo por iniciativas que reforcem os conhecimentos básicos das leis de trânsito e da direção defensiva, nunca é demais reforçar essa mensagem. 

Seja caminhando ou conduzindo, é essencial que cada um faça sua parte!